quarta-feira, 13 de maio de 2009

Dever deveras duvidoso


Vivemos em um país democrático onde somos obrigados a votar e só o cego consegue afirmar que há liberdade para todos. Quanto à liberdade, não haverá argumentações neste escrito, pois o assunto principal é o dever de votar.

Sócrates faz uma importante distinção entre os indivíduos capazes de provocar alguma espécie qualquer de benefício para algum empreendimento e os demais, que se não forem de atuação inócua, servirão apenas para agravar o problema. De forma prática, se um de nossos familiares está doente, podemos chamar um profissional a fim de examinar nosso ente querido, e lhe receitar uma medicação apropriada visando a sua cura, ou pode-se chamar um leigo qualquer que nada compreenda acerca da medicina, podendo este recomendar algo que de nada servirá, deixando assim o enfermo na mesma situação em que estava antes de se tratar, ou indicando ao indivíduo carente de saúde algo inadequado que intensificará sua enfermidade.

Parece-me bastante digna de consideração a teoria de Sócrates, onde somente alguns são hábeis em determinado assunto e somente a esses se deve recorrer quando se almeja tomar as decisões mais sábias possíveis, portanto é correto que todo indivíduo tenha o dever de votar? Inclusive os que nada compreendem de política. É uma atitude correta pôr algo tão importante nas mãos de quem pouca consciência possui sobre o que lhe estão incumbindo, ou seja: tomar parte importante na decisão do futuro do país?

Todavia, creio que muitos optariam por não votar se isso lhes fosse possível, pois têm consciência do seu não entendimento acerca do assunto em questão, da mesma forma que inúmeras pessoas recusar-se-iam a fazer o parto de uma mulher alegando não serem hábeis naquela tarefa, logo optariam por uma solução mais sensata que desse fim ao problema. Entretanto, é um dever de todo cidadão votar, porque somente assuntos sérios necessitam de informação e conhecimento por parte de seus executores.

4 comentários:

Mr.Kenobi disse...

Concordo plenamente com você. É uma hipocrisia dizer que há liberdade em um país onde as pessoas são obrigadas a votar. E ainda estendem esse direito (ou dever) até pra quem é analfabeto. Putz, se o sujeito não sabe nem escrever o nome dele, que capacidade ele tem pra decidir questões políticas? E ainda tentam nos convencer com o velho argumento: "Ah, se não fosse obrigatório ninguém votaria". Votaria sim, pois existem pessoas interessadas em construir um país melhor!
Já que dizem por aí que todo político é corrupto, pelo menos elejam aqueles que saibam pensar!

Bazófias e Discrepâncias de um certo diverso disse...

A argumentação de Sócrates é bem adequada à época da democracia ateniense. Desde lá, é um dos assuntos que intrigam os filósofos políticos, podendo citar Bodin, Hobbes, Locke, Rousseau, entre outros. A democracia liberal se instalou e... enfim, tudo continua bastante obscuro, penso eu... esse tipo de discussão não se faz, pois a abordam como assunto anti-democrático, ou "águas passadas". Concordo que o próximo passo a ser dado é que o voto deve ser facultativo, pois somente aqueles que estão interessados nos desdobramentos políticos irão participar, além de ser mais "democrático" a facultatividade do que a obrigatoriedade. Porém, resolve o problema? As formas corruptivas da burocracia continua existindo, com o mesmo (ou até maior) vigor. Ou se alie aos marxistas, ou então critique o máximo que puder, mas no fim das contas nada dá em nada! rs...

Lombardi* disse...

A hipocrisia impera pelo mundo todo e não só aqui!

Mutante disse...

Muito bom, concordo com você.
Democracia seria se fosse optativo.
As pessoas que não sabem absolutamente nada sobre política, são obrigadas a votar, escolhendo assim aqueles que mais aparecem na mídia. Escolhas movidas a interesses ou peso do nome/partido do que por propostas sérias e adequadas a realidades em que nosso país vive.