quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Soneto saudoso


O café esfriou de tanto nos esperar

A xícara, outrora cheia, a se esvaziar

Gota a gota caindo sorrateiramente

Como as lembranças a deixar a mente

-

Porém, as memórias cativantes se prendem

Se perdem, mas logo tornam ao lar; se rendem

Contudo, receio que um dia não mais retornarão

Perder-se-ão em meio a outras atuais e sumirão

-

Suas crendices serviram para nos afastar

Mentiras aconchegantes para sua vida adoçar 

Mantendo-a distante, receosa de pecar

-

Espero que seu equívoco seja percebido

Libertando um puro coração oprimido

Unindo-o a um saudoso e velho amigo

3 comentários:

Bazófias e Discrepâncias de um certo diverso disse...

Bacana!

Rodrigo disse...

Gostei do seu soneto! Parabéns!

Eu admiro muito quem é capaz de escrever um soneto de verdade, com os versos certos e as rimas corretas... sinceramente, não me arrisco... não sou mto bom pra escrever poesias... hehe

abraaaço

Lua disse...

"Contudo, receio que um dia não mais retornarão

Perder-se-ão em meio a outras atuais e sumirão"

Adorei o teu soneto, nestes trechos, fez-me lembrar do "tom" de Shakespeare.